Samuel Guthrie

Todas as semanas reveja uma personalidade que por motivos muito diversos está ligada à História da Anestesia. Esta semana, o escolhido é Samuel Guthrie.

 No ano de 1782, nasceu em Hounsfield, Nova Iorque, Samuel Guthrie. Mente brilhante, ficou conhecido por diversas invenções de que se destacam vários sistemas relacionados com armas de fogo, que revolucionaram os conceitos existentes na época.
Para além destas suas actividades “lúdicas”, Samuel Guthrie foi um homem de negócios de sucesso, mais conhecido por manufacturar “chloric ether”, vinagre e “priming powder” para armas de fogo. Em 1830, inventou também um processo de conversão do amido da batata em melaço e ficou famoso pelo álcool que destilava!…
As bases académicas de todo este processamento mental extraordinário, foram adquiridas nos estudos que efectuou durante o Inverno de 1810-1811 no “College of Physicians and Surgeons of New York”. Em janeiro de 1815, assistiu às aulas na “University of Pennsylvania”. Estes cursos constituíram toda a sua educação formativa! Com esta formação, dedicou-se à Medicina e essencialmente à Química prática.
Em relação à sua actividade médica e após o seu casamento aos 22 anos com Sybil Sexton, mudou-se para Harbor Sackets, Nova Iorque, onde exerceu Medicina como “médico rural”. Mas foi em 1831 que Samuel Guthrie fez a descoberta que o celebrizou na Medicina: a descoberta do clorofórmio! Esta substância, resultou da destilação da cal com álcool num barril de cobre. Foi usada com sucesso em anestesias para amputação de membros. Simultaneamente, o clorofórmio foi descoberto, em investigação independente da de Guthrie, pelo cientista francês Eugène Soubeiran (Outubro de 1831) e por Justus Liebig em Novembro de 1931. No entanto, Guthrie publicou a sua descoberta no Verão de 1832, pelo que é consensualmente reconhecido como o descobridor “oficial”, após um processo moroso em que os interessados se degladiaram energicamente. Foi necessário um comité de investigação proposto pela sociedade médico-cirúrgica de Edimburgo para apaziguar esta contenda.
Guthrie faleceu em Sacket Harbor, N.Y., em 19 de outubro de 1848.
Para a Medicina em geral e para Anestesia em particular Guthrie deixou-nos como legado o clorofórmio, líquido volátil não inflamável, sem cor, com um odor característico e um gosto adocicado. Durante quase um século foi um dos fármacos mais utilizados em Anestesia graças à sua eficácia, ao seu baixo custo, ao seu elevado perfil de segurança e à sua facilidade de administração praticamente desprovida de material específico. Por estas características foi o fármaco mais usado em cenário de guerras tendo o seu declínio sido acentuado após a Primeira Guerra Mundial. As suas características já enunciadas levam a que haja quem advogue em pleno século XXI que o ensino da sua manipulação deve continuar a ser ensinado…

Na próxima semana, descubra porque é que Theodoric Borgognoni, mereceu as honras de ser nomeado por este “site”!

Guerras e Anestesia

Todas as semanas reveja uma personalidade que por motivos muito diversos está ligada à História da Anestesia. Esta semana, o escolhido é “Guerras e Anestesia”

A “personalidade” que hoje vai estar em análise chama-se “Guerra”!…
Desde sempre a “Guerra” teve um papel preponderante na evolução dos povos. Foi sempre um motor de desenvolvimento criado pela necessidade de se obterem determinados objectivos prementes. A anestesia, como complemento da cirurgia, não fugiu a esta regra. Vejamos um pouco da sua atribulada história durante as guerras…Apesar de oficialmente a Anestesia só ter iniciado a sua existência em 1846, não há dúvida que o alívio da dor foi desde sempre uma motivação dos homens. Os escritores clássicos sempre aludiram a várias plantas (ex: ópio, mandrágora, cânhamo indiano), com propriedades analgésico/sedativas.
No entanto as primeiras descrições pormenorizadas sobre o uso de técnicas anestésicas em cenários de guerra reportam ao conflito militar entre os Estados Unidos e o México em 1847. Dois meses após a demonstração da primeira operação indolor com éter por William Morton, Edward H. Barton e John B. Porter administraram éter no campo de batalha para a realização de amputação dos membros!
Apesar das dificuldades de comunicações na época é espantoso como o éter é também usado no Verão de 1847 pelas forças militares russas no Cáucaso. Spencer Wells, médico inglês descreve a anestesia de 106 doentes em Malta no mesmo ano. Em 1848 os dinamarqueses também usaram clorofórmio no campo de batalha.
Posteriormente na Guerra da Crimeia (1853-1856) e na Guerra Civil Americana (1861-1865), o éter, o clorofórmio ou a combinação dos dois anestésicos foram usados rotineiramente com este objectivo.
Cada guerra “aprendeu” com as lições das guerras anteriores com o fim de melhorar as técnicas anestésicas. Foi neste sentido que o cirurgião George Washington Crile, afirmou que a maior lição aprendida com a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), resume-se ao conceito resumido na seguinte frase: “o paciente cor-de-rosa não pode morrer”. É esta noção da importância da cor do doente como mostruário exterior do estado interno, que deve conduzir ao desenvolvimento de todos os esforços para salvar o doente. Foi também na Primeira Guerra Mundial que a par da utilização da anestesia loco-regional e local, se desenvolveu o “Flagg can” um vaporizador de éter para anestesiar. Este utensílio, ainda foi muito útil na Guerra Civil Espanhola (1936-1939), quando os equipamentos anestésicos e/ou os gases comprimidos não estavam disponíveis.
A Guerra do Vietname (1959-1975) trouxe dois grandes desafios para a anestesia: a multiplicidade de lesões sofridas pelos militares e a necessidade de evacuação rápida dos feridos do teatro de guerra para um hospital. Estes factos levaram a um maior desenvolvimento da anestesia geral em detrimento da anestesia loco-regional, à implementação de novas técnicas de ressuscitação cardiopulmonar mais eficazes, ao desenvolvimento de técnicas cirúrgicas mais complexas bem como à implementação de unidades de cuidados intensivos.
As tentativas de se implementarem estes pressupostos na Guerra do Camboja (1970-1975) e na Guerra Civil Angolana (1975-2002), foram infelizmente infrutíferas, devido à estratégia das partes beligerantes em destruírem sistematicamente os serviços de saúde. Nestas guerras, o anestésico de escolha foi a cetamina. Este fármaco também foi usado intensivamente pelos serviços médicos italianos nas guerras da Somália (1994) e do Uganda (1999). Foi no entanto na Guerra das Malvinas ((Falklands) (1982), que a cetamina foi inicialmente utilizada de uma forma rotineira. Esta guerra ficou também marcada pelo desenvolvimento do Triservice anesthetic apparatus (TSA)”, um aparelho anestésico portátil e miniaturizado, e pelo desenvolvimento da técnica de anestesia geral endovenosa. Esta técnica é posteriormente desenvolvida em 1991 na Guerra do Golfo Pérsico com a utilização combinada de cetamina e propofol.
A tática de guerra mais recente é o terrorismo!…
Provavelmente será necessário desenvolver uma nova abordagem anestésica que exigirá soluções únicas baseadas em lições do passado…

Na próxima semana, descubra porque é que Francis Foldes, mereceu as honras de ser nomeado por este “site”!

Jules Cloquet

Todas as semanas reveja uma personalidade que por motivos muito diversos está ligada à História da Anestesia. Esta semana, o escolhido é… Jules Cloquet!

Quem foi Jules Germain Cloquet
Jules Cloquet, nasceu em 1790. Iniciou a sua actividade profissional como aprendiz de desenhador tal como o seu pai. Em 1810 veio viver para Paris onde frequentou o Curso de Medicina. É nesta altura que se dedica a modelar figuras anatómicas na Faculdade de Medicina de Paris. Em 1817 foi doutorado em Medicina com uma dissertação sobre hérnias abdominais. Em 1819 é nomeado cirurgião e director adjunto  do Hospital de S. Luís onde se especializou no tratamento de hérnias. O seu trabalho granjeou-lhe reconhecimento, pelo que se tornou em 1821 um dos primeiros membros da Academia de Medicina. Em 1824 foi nomeado, após concurso, Professor Agregado de Cirurgia.
Juntamente com a sua carreira académica inicia em 1821 a publicação do seu famoso trabalho “Anatomie de l´homme”. Contém cerca de 1300 ilustrações a maioria desenhada pelo próprio Cloquet e levou 10 anos a ser publicado na íntegra!
Na sua atividade como cirurgião, Cloquet interessou-se pela dor que induzia nos doentes ao efectuar as cirurgias. Sendo uma das suas muitas áreas de interesse o estudo do “mesmerismo”, então muito em voga, Cloquet resolveu aplicar os seus conhecimentos nesta área aos seus doentes.
Em 12 de Abril de 1829, efectuou a sua mais famosa cirurgia num doente sob hipnose. Realizou uma mastectomia com exerese dos gânglios linfáticos axilares numa doente francesa de 64 anos, Madame Plantin, que sofria de carcinoma da mama. O Dr. Chapelain hipnotizou a doente. Durante o seu transe hipnótico, falou calmamente sobre a cirurgia a que iria ser submetida, despiu-se e expôs a mama que iria ser operada. Durante a cirurgia que durou cerca de 12 minutos, conversou descontraidamente com o cirurgião e com o seu médico que segurava o membro superior do lado da mama intervencionada. Não referiu qualquer dor durante todo o procedimento. No pós-operatório, permaneceu em hipnose durante 10 h. A ferida operatória cicatrizou normalmente, mas a doente faleceu 14 dias depois devido a outra doença.
Apesar do êxito deste caso, Cloquet não voltou a efectuar cirurgias em doentes sob hipnose. Segundo dizia, o “mesmerismo” era altamente criticado em Paris, pelo que a repetição da experiência em outros doentes poderia abalar a sua elevada reputação e fazê-lo cair em desgraça!…
Faleceu em 23 de fevereiro de 1883.

Na próxima semana, descubra porque é que “Guerras e anestesia”, mereceu as honras de ser nomeado por este “site”!

Crawford Long

Todas as semanas reveja uma personalidade que por motivos muito diversos está ligada à História da Anestesia. Esta semana, o escolhido é Crawford Long

Até ao dia 30 de Março de 1842, a descrição habitual de uma intervenção cirúrgica era a seguinte: A man, screaming in agony, is held down on an operating table by 5 others while the surgeon amputates his left leg above the knee”
Neste dia, em Jefferson, Geórgia, o médico e farmacêutico americano Dr. Crawford Williamson Long (1815-1878) teve a ideia de usar o éter na anestesia do seu amigo James Venable para a remoção de dois pequenos tumores da nuca. O doente não demonstrou sentir a mínima dor! Alguns estudantes assistiram à cirurgia e constataram que o doente só acreditou que tinha sido operado quando Long lhe mostrou os dois tumores retirados.
Seguiu-se outra anestesia: o filho de uma escrava tinha queimado gravemente a mão e precisava amputar dois dedos. Para a amputação do primeiro dedo Long usou a inalação de éter, não tendo o doente referido qualquer dor. O segundo porém foi amputado após passar o efeito do éter e apenas nesta segunda amputação houve demonstração de dor. Desta forma foi comprovado que a analgesia era devida ao éter.
Long acreditava que apenas deveria utilizar o éter em pequenas cirurgias mas que, para grandes intervenções, a necessidade de uma inalação prolongada, durante todo o acto cirúrgico, poderia ter efeitos nefastos. Long utilizou éter em 8 cirurgias mas devido a conselhos de colegas sobre o perigo do éter, principalmente quando levava à inconsciência, e pelo receio de ser linchado por uma multidão revoltada caso alguma intervenção corresse menos bem, abandonou a técnica e não publicou os seus resultados. Só em 1849 após o médico Thomas Morton ter obtido a patente do éter como anestésico (1846), é que Long publicou as suas experiências.
Durante todos estes anos Long não foi reconhecido como o inventor da anestesia. No entanto nas duas últimas décadas a justiça foi reposta e Crawford Long foi considerado como o responsável por esta revolução na Medicina.
Morreu em Athens, Georgia (1878) sem pedir a patente da sua descoberta!…

Na próxima semana, descubra porque é que Jules Cloquet, mereceu as honras de ser nomeado por este “site”!

Pierre-Cyprien Oré

Todas as semanas reveja uma personalidade que por motivos muito diversos está ligada à História da Anestesia. Esta semana, o escolhido é Pierre-Cyprien Oré

 Bordéus, Hospital de Santo André, 9 de Fevereiro de 1874, 17 horas. O professor Pierre-Cyprien Oré (1828-1891), cirurgião do hospital, resolve tratar em regime de urgência um doente do sexo masculino de 52 anos, com tétano em fase aguda. Para isso, submeteu-o a uma sedação com hidrato de cloral, graças ao método das injeções endovenosas. É injetado por duas vezes na veia basílica, 9 g de hidrato de cloral diluído em 10 g de água. O doente, quase instantaneamente, «cai num sono profundo e tranquilo. A rigidez muscular desaparece e a respiração torna-se calma e regular. A anestesia foi tão completa que pude explorar o dedo traumatizado sem qualquer limitação, o que era impossível com o  doente acordado. Decidi fazer a extração do prego sem qualquer queixa do doente. O sono durou cerca de 11 horas». No  total, Oré fez 4 injeções. O doente curou-se e voltou para sua casa em 28 de fevereiro. Oré admitiu que esta foi a primeira anestesia endovenosa que se realizou.
Em 16 de fevereiro deste mesmo ano, Oré revela esta experiência à Academia Francesa de Ciências. “Ore was very enthusiastic about intravenous anesthesia with chloral hydrate, and believed it to be superior to inhalation anesthesia with ether or chloroform.”
Já dois anos antes Oré tinha publicado um artigo preliminar sobre esta técnica.
Em 1875 publica a primeira monografia sobre a técnica: “Études Cliniques sur L’Anesthesie Chirurgicale par La Methode des Injections de Chloral dans Les Veines”.
Apesar dos sucessos, os trabalhos de Oré suscitaram uma hostilidade quase generalizada devido essencialmente à recuperação lenta dos doentes e à elevada mortalidade. Felizmente M. Deneffe, professor em Gand (Bélgica), propõe a Oré continuar as suas pesquisas na Bélgica. O método pode então desenvolver-se de tal modo que brevemente a anestesia com hidrato de cloral irá substituir a anestesia com clorofórmio no hospital de Gand.

Na próxima semana, descubra porque é que Crawford Long, mereceu as honras de ser nomeado por este “site”!

Samuel Colt

Todas as semanas reveja uma personalidade que por motivos muito diversos está ligada à História da Anestesia. Esta semana, o escolhido é Samuel Colt!

Samuel Colt, nasceu em 1814 em Hartford (Estados Unidos da América) e tornou-se um inventor e industrial famoso ao registar a patente e a fabricar em 1836 as pistolas que adquiriram o seu nome – Colt.
Ainda teenager, Colt desenvolveu uma obsessão por armas de fogo e explosivos. Frequentou a Amherst Academy onde desenvolveu as suas capacidades e inventou um fogo de artifício original para celebrar o 4 de Julho. Infelizmente o edifício da escola ardeu!… E Colt receando ser expulso deixou a escola…
Aos 18 anos, para angariar fundos para continuar a sua investigação em armas de fogo, tornou-se um vendedor ambulante, promovendo espetáculos de anestesia de seres humanos com protóxido de azoto. O “Dr.” Colt tornou-se um astuto vendedor. As suas credenciais rapidamente se potenciaram e tornou-se Professor Coult of Calcutta, London and New York. Com estas demonstrações com o “gás hilariante” que ele próprio produzia, rapidamente ganhou fama e dinheiro que permitiram continuar as suas investigações no fabrico de armas e fundar a Patent Arms Company. Os seus revólveres tornaram-se famosos, ao ponto de serem vendidos por Colt na guerra da Crimeia (1854-56) a ambos os beligerantes! Foram também os responsáveis pela cultura das armas que ainda prevalece no EUA nos dias de hoje.
Morreu na sua cidade natal em 1836 e os seus restos mortais repousam no Cedar Hill Cemetery, Hartford, Connecticut.
Colt tornou-se um bom exemplo em como a arte de anestesiar desde os seus primórdios, teve outras aplicações interessantes muito para além do… Bloco Operatório!…

Na próxima semana, descubra porque é que… Pierre-Cyprien Oré, mereceu as honras de ser nomeado por este “site”!

Manual de Procedimentos 2017 – Lançamento da edição digital

Procedimentos 2017

“Coming together is a beginning. Keeping together is progress. Working together is success.” Henry Ford

Com o primeiro trimestre de 2017 quase a chegar ao fim, eis que surge a décima primeira edição do Manual de Procedimentos do Serviço de Anestesiologia do IPOLFG – PROCEDIMENTOS 2017 – confirmando a vontade, o entusiasmo e o profissionalismo de todos os elementos do Serviço em continuar empenhados nesta difícil e desafiante tarefa.

Após a fase inicial de dúvidas e inseguranças perante a incerteza face à mudança de Direção, o Serviço vai afirmando a sua identidade e readquirindo a capacidade de inovação e preocupação contínua no aperfeiçoamento da sua atividade.

As alterações na legislação, relativamente aos patrocínios da indústria farmacêutica, vão tornando cada vez mais difícil obter os meios necessários para a manutenção e concretização deste ambicioso projeto e de outros que têm surgido no Serviço.

Esta nova edição do nosso manual, para além da atualização de acordo com as novas guidelines e da respetiva revisão, inclui um novo capítulo: “Ventilação Não Invasiva”.

O nosso objetivo, de manter uma edição anual, foi mais uma vez alcançado. Faremos o possível para poder dizer o mesmo, daqui a um ano.

Aproveito esta oportunidade para agradecer a todos os elementos do Serviço de Anestesiologia do IPOLFG, a colaboração e o apoio que senti ao longo deste primeiro ano de Direção do Serviço. Tem sido uma tarefa árdua, mas gratificante liderar esta equipa de que muito me orgulho, principalmente pela enorme responsabilidade de dar continuidade ao trabalho de um Diretor tão carismático e convicto das suas decisões como o Dr. José Manuel Caseiro.

Ao Serviço de Anestesiologia do IPOLFG, o meu MUITO OBRIGADA! Sem a colaboração de TODOS, nada disto teria sido possível..

Isabel Serralheiro Fevereiro 2017

Hanaoka Seishu

Todas as semanas reveja uma personalidade que por motivos muito diversos está ligada à História da Anestesia. Esta semana, o escolhido é Hanaoka Seishu

 Em 23 de Outubro de 1760 nasce em Hirayama, Japão, Hanaoka Seishu médico que ficou conhecido por ter realizado a primeira cirurgia mamária com o doente anestesiado com “tsusensan”! Esta operação decorreu em Outubro de 1804.
Mas o que é o “tsusensan”?
É uma mistura de ervas que funciona como um poderoso anestésico. Foi usada no Japão por este médico, conhecido como o pai da anestesia e que operou mais de 150 doentes submetendo-os com sucesso a esta anestesia, cerca de 40 anos antes do aparecimento das primeiras descobertas ocidentais com Long, Wells e Morton.
Na composição complexa desta mistura de ervas sobressai entre outras a datura alba. Os componentes ativos desta mistura são: escopolamina, hiosciamina/atropina, aconitina e angelicotoxina. Quando combinados, produzem anestesia, sono e paralisia.
Após o estrondoso sucesso das primeiras cirurgias Hanaoka Seishu dedicou-se a cirurgias complexas incluindo a ablação de tumores malignos, colecistectomias e amputações. 
Antes da sua morte inventou e modificou vários instrumentos cirúrgicos e treinou e educou muitos estudantes utilizando a sua filosofia médica muito pessoal. Os seus ensinamentos ficaram conhecidos como o método de Hanaoka.
Faleceu em 2 de Outubro de 1835.
Apesar do seu trabalho não ter sido reconhecido no ocidente, não há dúvida que Seishu foi o primeiro médico a empregar técnicas anestésicas durante as cirurgias dos seus doentes. Como reconhecimento deste facto, o emblema da Sociedade Japonesa dos Anestesiologistas incorpora no seu logótipo a datura alba!…Na próxima semana, descubra porque é que Louisa May Alcott, mereceu as honras de ser nomeado por este “site”!

Edward R. Squibb

Todas as semanas reveja uma personalidade que por motivos muito diversos está ligada à História da Anestesia. Esta semana, o escolhido é Edward R. Squibb

Em 4 de Julho de 1819 nasceu em Wilmington, Delaware, o Dr. Edward R. Squibb.
Foi graduado em Medicina pelo Jefferson Medical College em 1845, tendo iniciado a prática de Medicina em várias áreas de interesse.
Em 1948 alista-se na US Navy como médico naval, abandonando a sua clínica privada. Passou 4 anos em vários navios no Atlântico e Mediterrâneo, tomando notas sobre os vários aspectos que caracterizavam a vida e o tratamento dos marinheiros: dieta deficiente, tradições vergonhosas e má qualidade da medicina exercida a bordo dos navios.
Durante 6 meses, suspendeu a sua actividade naval para frequentar cursos de actualização na Jefferson Medical College. No decurso destes cursos, ficou visivelmente sensibilizado pelas cirurgias efectuadas com o novo “éter sulfúrico”, tendo tomado inúmeras notas nos seus livros. Estudou química e familiarizou-se com as propriedades do éter. As críticas que manifestou em relação à Marinha, conduziram à criação de um laboratório naval em Brooklyn com o objectivo de produzir fármacos de qualidade.
O interesse de Squibb pelo éter teve resultados práticos em 1853, quando verificou que o éter utilizado nas anestesias era muito impuro produzindo efeitos muito diversos com amostras diferentes. O seu objetivo foi produzir éter puro, consistente e fiável pelo que desenvolveu no decurso de 1854 um aparelho para destilar éter. Recusou-se a patentear a sua invenção permitindo deste modo que toda a gente beneficiasse da sua invenção. Publicou pormenorizadamente todo o processo de fabrico em 1856 no American Journal of Pharmacy.
Em 1858, fundou a Squibb Pharmaceutical Co.. A sua companhia tinha como objectivo produzir fármacos que fossem eficazes, com princípios activos puros e padronizados, facto que não acontecia nos medicamentos existentes na época. Dos primeiros medicamentos encomendados, destacam-se: o clorofórmio, o éter e a cocaína.
Faleceu em 1906, tendo deixado um legado inestimável no desenvolvimento do conceito de “fármacos puros”. Depois de Squibb, nunca mais os fármacos foram aquelas substâncias que, com algum grau aleatório quase sempre resultante do seu grau de impureza, podiam curar ou matar sem se saber a causa.

Na próxima semana, descubra porque é que…Heinrich Quincke, mereceu as honras de ser nomeado por este “site”!

Educação Médica Online

Acompanhar a constante evolução do conhecimento na nossa área de especialidade nem sempre é fácil devido à enorme quantidade de informação que se tem de digerir (em pouco tempo) e ao difícil acesso aos artigos científicos em revistas médicas pagas.

A internet é um poderoso meio de divulgação de material educativo e existem vários exemplos da utilização das redes sociais, blogs, vídeos e podcasts como meios de difusão de conhecimento médico de uma forma gratuita e acessível a todos. Estes novos meios vêm complementar os mais “tradicionais” (livros de texto, artigos científicos, congressos, cursos e actividade clínica). Todos os dias, uma activa comunidade partilha conteúdos online dos quais todos nós podemos e devemos tirar partido para nos mantermos actualizados e melhorarmos a nossa prática clínica.

De seguida, apresentamos alguns exemplos recursos online que apreciamos:

AnesthesiaIllustrated – Projecto da Universidade de Stanford (Anesthesia Informatics and Media Lab) em colaboração com a Universidade de Yale. Contém uma boa colecção de vídeos sobre anestesia.

Anestesiar.org – Site espanhol com conteúdos relacionados com Anestesiologia, cuidados intensivos e emergência.

Life in the Fast Lane – Blog dedicado à medicina de emergência e cuidados intensivos criado por Mike Cadogan e Chris Nickson. Conta com centenas de posts sobre os mais variados temas destas áreas, bem como uma biblioteca de ECGs, casos clínicos e toxicologia.

EMCrit – Criado por Scott Weingart, é um blog/podcast sobre a actualidade em cuidados intensivos/emergência.

Resus.me – Blog de Cliff Reid, sobre medicina de emergência.

Dr. Smith’s ECG Blog – Extensa biblioteca de ECG com casos clínicos

Twitter – Pesquisar pelos hashtags #FOAM, #FOAMed (Free Open-Access Medical Education) e seguir autores dos blogs supracitados são óptimas opções para começar a acompanhar esta comunidade.

No futuro, também o Oncoanestesia se pretende associar a este movimento e iniciar a criação de conteúdos sobre Anestesiologia em português, que estarão disponíveis no nosso site, no separador “Educação Médica”.

Fiquem atentos! Brevemente teremos novidades!